nossa muito rave lya

Estou passando aqui para: me exibir com a bolsa nova! Feita por encomenda, a bolsa Marion, da Gabriela Sakate, é enviada pelo correio e és atendido queridamente por e-mail pela própria. A bolsa está disponível nas cores preta, azul marinho e caramelho (:

Estou passando aqui para: notar que, coincidentemente, esta semana ouvi incessantemente duas trilhas de vídeos que assisti. A primeira, é da animação M. Zoe Trope (eu fico muito hipnotizada com essas coisas). Daria um braço dizendo que era Björk, mas não. E eu não estava tão errada assim. Da mesma terra que Björk, Islândia, vem o Samaris, cantando Tibra.

Na minha timeline, apareceu o novo vídeo da SaladaLoira (que simplesmente resolveu fazer um clipe para apresentar o layout novo, outro nível, meu bem). A trilha é Chet Faker, com Cigarettes and Chocolate.

Ambas com influência eletrônica, que nem é minha praia, mas gostosas de ouvir.

to have one more day of sun

Ainda acho que não há melhor trilha sonora para o verão que a música dos meus californianos do coração.
E sendo de onde são, de sol eles entendem muito bem e, se duvidar, mais que nós.

E é o sol e o verão que estão sempre sendo cantados pelo Local Natives. O álbum Hummingbird foi lançado meses atrás, mas combina com o bafo de agora.

O álbum inteiro é ótimo, sem tirar nem por. Foi difícil selecionar para dar um gostinho, mas aqui vai (:

Wooly Mammoth

Ceilings

Bowery

Mt. Washington

Heavy Feet

11:11

gift of sound

Não conheço o quanto gostaria. Não ouço o quanto deveria. Respeito pra cacete: Sr. David Bowie.


Versão 2013 de Sound and Vision (1977).

para ler e ouvir

Uma pausa nos posts que — não sei se vocês aguentam mais — para duas recomendações.

Eu não sou boa resenhadora e nem tentarei, porque a chance de eu estragar o livro é grande. Em Manual de Sobrevivência dos Tímidos, as ilustrações que seguem a linha de instruções de segurança em voo, do próprio autor, Bruno Maron, é um mínimo detalhe perto do texto solto e irônico. É para os tímidos e para os nem tanto. É o famoso tirar sarro de si mesmo. É a verdade e o absurdo, tudo junto. Um fez-me rir em todas as páginas. Disponível na Lote 42.

(Introdução – exibir imagem, para ver maior)


(Dicas para fuga – exibir imagem, para ver maior)

Muitas vezes, volto para casa de carona com o Luís. E mais de uma vez voltei ouvindo isso que eu não sabia o que era, mas a imagem na minha cabeça formava uma mulher, às vezes parecia homem (haha) e negra. Na sexta-feira, ouvindo sair a mesma voz da caixa de som do computador dele, resolvi perguntar o nome. Descubro que é um homem, branco, de 25 anos. Fica aqui meus parabéns a todo o conjunto da obra do inglês (mas é óbvio) James Blake.

Retrograde

Overgrown

Agora vou ali atualizar a idade do perfil, porque 17 de outubro já passou (;