FÉREAS : ALEMANHA I – Impressões

10402970_1009054815795809_842475524083737087_n

Esta foto não é minha. Foi a primeira imagem que vi da cidade depois que voltei e ela resume tanto, que me apaixonei. A legenda diz: The yellow snake in the grey jungle, a foto é de Alex, postada no I Heart Berlin.

Isso porque antes do post sobre meus dias na Alemanha, eu sinto a necessidade de escrever sobre o que foi ir/estar na Alemanha.

Quanto mais eu crescia, mais minha curiosidade me levava a sonhar com o país. Na minha adolescência, o início do contato com os Zumblick’s de cá com os Zumblick’s de lá, era a história das minhas famílias. Como uma boa aluna, as décadas do século passado que tinham Berlim como protagonista. Quando eu estudava para o vestibular, aos 17, eu descobri que foi na Alemanha, no meio do caos, que surgiu o berço do bom design.

O que eu tinha era amor e muita curiosidade.

Como uma cidade deixada a pó pode ter se reerguido desse jeito?
Como eles lidam com um passado tão escuro e hoje é um país tão promissor?
Como simplesmente dividem uma cidade ao meio?
Como são as pessoas que vivem lá?
Como é morar lá?

E todas estas e outras questões foram respondidas.

Eu cheguei à noite, não conseguia ver nada da janela do avião a não ser luzes lá embaixo. Mas foi só avisarem que estavam iniciando o processo de pouso para meus olhinhos encherem de água e acreditar que sim, aquela lata que voa no céu que eu morro de medo ia descer e ia ser na Alemanha. Frank dormia.

Berlim é, antes de tudo, uma cidade livre.
E ela não merecia nada menos que isso.

As pessoas são livres.
Livres para se mover. Lá, num mesmo cruzamento, tu vês o carro, o metrô de superfície, o ônibus, o ciclista e o pedestre dividindo o mesmo cruzamento. É assustador. E tudo dá certo. Tudo. Os meios de transportes (ônibus, metrô de superfície e subterrâneo) são interligados. Pontual. A cada 5 minutos, o que precisas vai passar. Está lá, em contagem regressiva, para não teres dúvida. O que mais me chamou atenção foram as bicicletas. Eu não esperava por isso, porque a gente só vê Amsterdam. Berlim é um absurdo no quesito bicicleta. Minha primeira visão à luz do dia na cidade, da minha sacada, foi uma mulher de cabelos vermelhos curtos, vestindo uma camisa colorida, com o filho na garupa da bicicleta. Estava levando ele para escola. E assim foram todas as minhas manhãs: pais levando seus filhos na bicicleta, ou ainda mais lindo, as crianças iam ao lado, com sua própria bicicleta. Eu estou falando de crianças, de sei lá, 70 cm de altura. Bicicletas sem rodinhas. Perto de onde fiquei, havia uma escola e em frente à escola havia um estacionamento de bicicletas, bicicletas de crianças. Eu nunca tinha visto tanta criança na rua, tanto carrinho de bebê na rua e nos metrôs. Meu primeiro pensamento foi: meu deus, a taxa de natalidade está alta por aqui. Depois de mais um tempo, eu percebi que a resposta era simples: todas as crianças que eu vi, as inúmeras crianças que eu vi, não estavam numa cadeirinha dentro de um carro no trânsito, como é aqui. Elas estavam nas ruas, com seus pais, indo para onde precisavam ir, da mesma forma. Próximo aos metrôs, estacionamento de bicicletas. Boa parte das pessoas vai de bicicleta até o metrô e segue com ele até o trabalho. Haviam bicicletas em todas as ruas, todas. E assim foram todas as minhas noites: cuidando ao sair da calçada e pisar na ciclovia, porque elas passavam voando, iluminadas, eram pessoas retornando do trabalho, em fila.

Livres para se vestir. O que as europeias estão usando? Mas que bobagem. Pura bobagem. Lá, eles vestem o que querem, como querem. O metrô é um festival. A rua é um festival. De estilosa moça impecável em sua bicicleta (tinha umas que eu queria dar um soco na cara e pedir a roupa e a bicicleta e dizer, moça, me diga aonde estais indo, pode deixar que eu vou no teu lugar), os inúmeros punks sentados na minha frente no metrô com suas cervejas na mão. O grupo de amigos, que mais parecia ter saído dos anos 90. Ninguém olha feio, ninguém fala nada. Ninguém estranha. Só a gente. Meu deus, as pessoas do Neue Heimat! Depois eu conto. Aliás, lá é garrafinha de vidro na mão a qualquer hora do dia. Seja de cerveja ou de qualquer outra coisa. Se der uma briga, morre todo mundo. Mas briga eu não vi. E não é a toa que em estabelecimentos, quando retornas com a garrafa vidro (só-tem-de-vidro e boa parte do tempo vais tomar na boca da garrafa mesmo), ganhas 1 ou 2 euros de volta, dependendo do local.

A arquitetura é livre.
Livre porque é uma desorganização organizada. O velho e o novo junto. Moderna, inusitada. As intervenções. Os prédios! Meu deus, vamos construir um prédio branco e pintá-lo, sei lá, com as cores do arco-íris, mas só meio? Sim. Claro. E fazer só um bloco vermelho? Sim, pode. E neste aqui, que tal uma ilustração de um homem nu com um pênis gigante? Mas por que não? A arquitetura de Berlim não é certinha, alinhada, unitária. Pode ser clássica, pode ser quadrada, pesada, leve, limpa e suja. Não existe medo da cor. Só na esquina da minha rua existiam prédios com lagartixas gigantes pintadas em várias cores! Eu parecia uma coruja, meu pescoço virava 360 graus o tempo todo. Para onde quer que tu olhe, nada será óbvio. Obras, inclusive, estão por toda a cidade. Em todo o lugar. Sempre grandiosas, sejam de restauração ou de ampliação. (Estavam até fazendo outra linha de metrô. Para eles, ainda pode ser melhor).

Livre para contar sua história.
Por pior que seja, o alemão não esconde ou diminui em importância. Ela está lá, de pé. Se não estiver mais de pé, eles te mostram como era, nem que risquem no chão. Não tem problema. Mas vai estar lá, viva para ser vista e nunca esquecida. Museus, tu terás todos e quantos quiseres. Um pensamento estranho que tive enquanto via tudo aquilo foi: ainda bem que aconteceu aqui. Porque só eles para contar a história assim, de forma tão clara, tão explicativa, interativa, demonstrativa, sensitiva. Seja em museus ao ar livre, sejam os fechados, pagos ou de graça. Todas as informações estão lá. Tudo é impecável.

E lá estava eu, no meio de tanta coisa, andando pelas ruas deles, pouco mais de uma semana. E os jovens que passavam por mim, eram os netos dos que passaram pela guerra na década de 1940, os filhos dos que lutaram pela unificação na década de 1980. Era um presente estar ali.

Deixe seu comentário

24 comentários

  1. Ana

    Adoro sua escrita e suas fotografias. Tudo por aqui é sempre tão impecável e tão gostoso de acompanhar… Confesso que tenho até ciúmes de compartilhar esse blog, que é um dos meus favoritos, com os amigos, hahaha.

    1. Lya respondeu Ana

      hahaha, ana! essa é nova pra mim :D
      Fico feliz que goste tanto <3

  2. Bruna

    Tudo tão verdade, essas tuas impressões. Quando fui pra Berlim, em 2012, também fiquei impressionada como tudo funcionava e como ninguém atravessava a rua quando o sinal de pedestre tava vermelho – mesmo que não viesse carro de nenhum lado por mais de 3km, como no meio de prédios super minimalistas eu achei um labirinto de ruazinhas totalmente grafitadas com galerias de arte, brechós, inclusive um mini museu da Anne Frank. Umas coisas absurdas. E as cervejas..

    Saudades, apenas – e só Deus sabe quando vou poder viajar agora com esse dólar de jesus. Mas olha, parabéns pelo blog, pelos registros sempre tão bonitos e simples – mas tão ricos. E as fotos lindas, e tudo. És uma referência pra mim, como designer. Beijão.

    1. Lya respondeu Bruna

      Eta Bruna, muito obrigada pelas palavras!
      Eu também saí de lá pensando em quando voltar, e a resposta era tão distante que a gente tem que aproveitar o máximo mesmo e é isso que eu tento fazer, sugar tudo, haha.

  3. Ramon Abreu

    Lya, estou sem ar de te ver falar. Mias uma vez você adicionou um destino as minhas viagens. Nunca imaginei que a Alemanha você tão assim! Nem mesmo em minhas aulas de História da Arquitetura eu vi alguém falar tão detalhadamente sobre um lugar. Amei tudo, acho que vou ler mais umas três vezes para saber se é real mesmo.
    Beijo no co re <3

    1. Lya respondeu Ramon Abreu

      Que lindo, Ramon! Bem, era um lugar que eu sonhava em ir, então não me restava outra coisa se não absorver ao máximo. Mas cada um é cada um, né? Apesar de eu não conhecer alguém que tenha ido e não gostado, haha. <3

  4. K.

    Mulher, que post incrível! Fiquei aqui travada esperando que já tivesse uma continuação pra eu dar sequência, e fiquei com uma vontade ainda MAIOR de conhecer a Alemanha, Berlim, ver tudo isso com meus próprios olhos. Apenas foda.

    1. Lya respondeu K.

      Obrigada, guria! Eu estava tão cheia de coisa que precisava descrever antes de qualquer coisa. Espero que possas ir! Cada um tem seu jeito de ver as coisas, né? Mas acredito que não tenha como não gostar (:

  5. Renata

    Lya, tô que é só suspiros aqui. Nunca li relato tão bonito quanto esse <3

    1. Lya respondeu Renata

      Affee, haha <3 Mas é que tava entalado, haha. É muito legal realizar sonho, eu precisava botar para fora. Fico feliz que tanta gente leu isso tudo!

  6. carol

    que linda! morrendo de vontade de conhecer!
    eu li e quando acabou, pensei “NAOOO, CADE O RESTOOOOO” hahahah

    1. Lya respondeu carol

      hahahaha, carol! É muita coisa, hahah, quer dizer, como eu fiquei louca, eu não consigo escrever pouco. Agora coloquei mais um e depois vem mais dois (:

  7. Cristal

    Que post bonito de se ler, menina Lya <3

    1. Lya respondeu Cristal

      Muito amor geográfico, haha
      muito obrigada <3

  8. BA MORETTI

    comofaz pra lidar com a vontade de largar tudo agora e correr pra alemanha agora?

  9. fer.

    um relato que faz a gente querer ir a um lugar só pra sentir tudo isso, ver com esses olhos, sabe? lyndo!

    1. Lya respondeu fer.

      Acho que não presto pra viagens picadas, mas era um sonho pra realizar, então foi tudo com mais intensidade minha relação com as coisas. Tô impressionada que vocês ainda leram tudo isso, haha <3

  10. Isa

    tenho muita vontade de conhecer esse lugar, todo mundo que eu conheço que já foi, volta apaixonado, sem querer voltar. um dia eu vou!

    1. Lya respondeu Isa

      Vai sim. Se eu fui, tu vai também! haha

  11. Paulo Rezende

    Uma das coisas que mais me orgulho de ter feito em Berlin foi pagar 10 euros por um Tour a pé pela cidade. A coisa toda durou umas 8 horas, e andamos por praticamente todos os cantos da cidade! O mais legal é que o guia nos levou a lugares não tão turísticos, e nos fez observar detalhes que talvez passariam desapercebidos. Um deles, um prédiozinho comercial que foi semi destruido pela guerra. O dono, esperto que só, traçou uma linha reta na metade da fachada e reformou apenas um lado. O resultado é a imagem clara da diferença impactante da guerra, com um lado cinza, rachado e morto, e o outro branquinho, com plantas e cheio de vida! Ah, Berlin! <3

    1. Lya respondeu Paulo Rezende

      Que legal, paulo! não vi isso, mas realmente ele foi esperto, haha. É um choque muito legal (se assim for possível dizer). É a história viva, né?

  12. Natalie

    Não tem como não se apaixonar; te falei: meu lugar preferido no mundo #chupaparis