Maccabôcomeucoração

Primeira pergunta que me fazem quando me veem é: e aí, como foi o show?
Eu não consigo responder. Mas sabe esses presentes que a vida te dá? Então, foi assim.


Saldo
• Cantei to-das as músicas.
• Dancei to-das as músicas. Dancei tanto quanto os maconheiros que estavam mais à diante, tire suas conclusões.
• Chorei – de deixar escorrer e secar no rosto – em mais da metade. Algumas eram tão felizes que não dava (que tipo de gente chora em Ob-La-Di, Ob-La-Da?)
• Fiz air guitar, air drum e usei minha garrafa d’água como microfone inúmeras vezes.

Antes
A ficha da viagem, e de todos esses dias de espera, caiu mesmo quando consegui avistar o Beira Rio do carro. Desabei ali, saí do taxi chorando feito uma doente e meu pai ria. Dei de presente o show e a viagem pra ele, porque comecei a gostar com ele ouvindo em casa. Em algum momento tem meu sorriso aí:

Durante e Depois:
Anos e anos depois e eu ali. Ele dizia quando tu ias imaginar isso, heim?
O negócio não foi só o Paul estar ali, eu ter essa oportunidade e estar consciente de que era a primeira e última vez que eu veria aquilo. Eu estava no anel inferior, de frente pro palco, naquele estádio absolutamente lotado por um só objetivo, um céu limpo e estrelado, um vento refrescante que parecia um carinho praquela multidão. Sabe o que é um estádio inteiro, em silêncio, pra ouvi-lo falar? Sabe o que é um estádio inteiro, no escuro, cantando o refrão de Hey Jude esperando o Paul beber uma água? Era de se parar, olhar em volta e não acreditar.

Trinta e sete músicas, três horas. Foi algo muito, muito grande e ficou tudo aqui, guardado na memória e mesmo no dia em que ela falhar, tá coração.

A última música do show, o último verso:
And in the end, the love you take is equal to the love you make.

Ele sabe o que faz, ele sabe. Sorte daqueles, que como eu, conseguem perceber.

Deixe seu comentário

17 comentários

  1. KATY

    que lindo lya! parabens, um sonho realizado é tudo de bom!!
    bjs

  2. Julia

    isso me pressiona a escrever meu post sobre o show.

    ah gata, pena que não nos vimos. aliás, meodeos que show. puta merda. que show. nada vai superar esse aí.

  3. moskito

    e essa banda de abertura ein. haha eu tava aí perto =~

  4. Léo Quint

    Sensacional! Deve ter sido um show pra vida, né?!! Bonito o texto..

    bjão

  5. Carol Rivello

    Mano, esse verso de “the end” é amor. Puro amor.
    Cara, só consigo imaginar a coisa linda que foi esse show. :˜(
    Também queria ter ido :(

  6. @isadorabp

    Inveja branca de vc, parece realmente ter sido O show.
    Também queria ter ido[2]

  7. Stella

    Tava ansiosa pra ler o teu relato, bonita! Amei ver tu e o teu pai no vídeo, hahahaha! E olha, eu surtei na pista uma hora e quase fui procurar uma vaguinha no anel inferior das arquibancadas, mas como pensei no tanto do show que eu ia acabar perdendo nesse trajeto, fiquei quietinha. Que pena não ter te visto lá, viu? Pena mesmo. :(
    Eu ainda quero vê-lo de novo. Não sei quando, não sei como. Mas, de fato, a princípio é a primeira e última vez que presenciamos isso. Dá um nó nas tripas muito grande pensar nisso… mas que bom que tivemos essa chance. E que ótimo que tu pôde levar o teu pai! Ele deve ter amado, apesar da função toda meio estressante (imagino).
    :*

  8. Daise

    Ai, Lya
    Eu também estava lá, eu também chorei, eu também tinha plena consciência do que aquilo significava, também cantei todas as músicas, também senti o vento e olhei praquele céu lindo… e também me emocionei mais uma vez agora, lendo teu relato.

    Feliz por ti, como fiquei por mim.

  9. anacarol

    aii lyaaaaa
    ai são paulo, ai são paulo… que demora.
    eu acho que vou chorar até em ob-la-di ob-la-da, se duvidar. fiquei com os olhos marejados aqui só de ler teu relato. e uma coisa é certa, vai ser pra sempre. desde quando eu tive a confirmação choro até vendo dvd.
    agora é esperar por mais 1 semana e ir pro morumbi pra entender esse sentimento e ver o homem ao vivo. *.*
    esse trecho de the end é pra virar tatuagem e carregar pra sempre.
    beijooos.

  10. Mariane

    Seu post descreveu o que eu senti em quase tudo, a única coisa que me culpo é que eu não chorei, acho que foi porque passei o show inteiro sem acreditar que era o Paul que eu estava lá!
    Passei a vida toda perguntando pras pessoas da família, tios, mãe, vó, se eles ouviam as músicas no rádio e sobre como era naquela época, tentando me imaginar naquela situação e no final, dia 7 era eu quem estava lá!!!
    Achei lindo que vc foi com o seu pai porque eu fiquei pensando que a minha mãe também merecia ir.
    Agora não importa mais nenhum outro show, a gente foi no show do Paul!!!
    Beijos!

  11. Ester Scotti

    Sorte da gente que consegue perceber e transcender. A maior experiência musical da vida se consumou naquele domingo perfeito de Deus. Quem duvida da dimensão de Paul sobre a gente?

    Adorei teu texto, Lya. Beijos

  12. Gabriela

    Quase chorei só de ler, hahaha. Queria tanto ter ido :~
    Sem palavras ;_;

  13. Tatiana W.

    Cosalinda. Teu post, o presente que destes pro teu pai. =*

  14. Paula

    Eu também quase chorei lendo, queria tanto ter ido :(

  15. raquel

    fiquei emocionadinha porque também conheci beatles pelo meu pai e, principalmente, paul mccartney (que é o preferido dele – o da mãe é o john lennon).

    não vou no show, mesmo estando em sp pro planeta terra. não consegui ingresso e terei que trabalhar (show em sp, na segunda… me quebra as pernas) mas é isso, paul nos brinda com presentes a cada música que a gente para pra ouvir, no ipod a caminho de casa, com o namorado na estrada e por aí vai.

  16. Cecília

    Ô, Lyão! nem fui ao show, mas chorei de ler. Só posso tentar imaginar a proporção de tudo aquilo que sentiste. Que lindo! Que lindo! :*

  17. Rodrigo

    eu entendo, é aquele SHOW DA NOSSA VIDA. sei como é.